Utilize o teclado para navegar, com Ctrl + nº da tecla

Ctrl + 1 (menu) Ctrl + 2 (conteúdo) Ctrl + 3 (busca) Ctrl + 4 (mapa) Ctrl + 0 (acessibilidade)

A +

A -

Padrão


Original

Contraste
×
Turismo

Localidade de Três Irmãos Herder

Em 1873, a localidade era chamada de Morro da Catarina. Seus primeiros moradores foram os integrantes de uma família, cujo chefe foi expedicionário da Guerra do Paraguai (1865 a 1870). Eram chamados de Nazaros ou Nazarenos. Segundo a história, estes homens formaram uma tropa especial de combate, especializados em táticas de guerrilha. Usavam muito a força bruta, originando a cultura da violência, também praticada depois na Revolução Federalista (1893 a 1895). Possivelmente estes Nazarenos tenham vindo acompanhados de um dos também participantes da Guerra do Paraguai, Tristão Garcia da Rosa. Mais tarde, este recebe terras de herança de seu pai Felisberto Garcia da Rosa, próximo ao Morro e em direção, onde hoje, está a Sede Municipal. Hoje, ainda ali há descendentes destes Garcia da Rosa. 

Quatro anos depois, em 1877, três irmãos alemães “Herder”, vieram com suas famílias da cidade de Berlim – Capital da Alemanha. Eles continuaram a colonização do lugar, construindo uma casa totalmente de pedra serrada, e nela habitaram até o início dos anos 90, do Século XX. No início da construção da casa, segundo considerações históricas da família alemã Herder, um dos três irmãos veio a falecer devido a uma das pedras, que faziam parte da estrutura da casa, cair em cima dele. No dia 25 de abril de 1893, segundo consta na lápide situada no Cemitério dos Três Irmãos, na mesma localidade em que está situada a casa, falece Johanna Maria Herder, supostamente e, por falta de informações pessoais e cronológicas, esposa de um dos irmãos que contraíra uma doença, que dizimou a ele e a esposa (no cemitério há uma lápide, desgastada pelo tempo que, segundo moradores próximos ao lugar, é de um dos irmãos Herder). O irmão que permaneceu vivo, voltou com as famílias dos seus entes queridos para sua terra natal, Berlim, na Alemanha, no ano de 1903 (Jornal “O Informativo do Vale do Taquari” - Especial Expofaz, de sexta-feira, 02 de dezembro de 2005). Pode-se considerar, a partir de registros, que a propriedade era dos alemães, conforme documento sobre terras de José de Azambuja Villa Nova, onde consta que suas terras faziam divisa com as terras de Guilherme Herder,  próximas ao Cantagalo.

Supõe-se que, devido à localização da casa, esta teria servido de entreposto comercial e fiscal da Vila de Taquari. Analisando-se sua localização, está em ponto estratégico, pois, está localizada em cima do morro, antigamente chamado de Catarina e, ao lado, encontra-se a estrada construída em meados de 1860, para trânsito dos alemães vindouros de São Leopoldo e da própria Alemanha, e que depois voltavam pelo mesmo caminho com os produtos da Colônia Teutônia que, na época, fazia parte do território de Taquari em termos de arrecadação dos tributos. Esta mesma estrada é citada por Octávio Augusto de Faria em sua Monografia do Município de Taquari, no capítulo referente ao Dicionário Geográfico do Rio Grande do Sul – Termo de Taquari e está localizada no 3º Distrito, que hoje faz divisa entre Fazenda Vilanova e Paverama, sendo citada como “Estrada Guilherme Herder”.

A casa, datada no marco de pedra na porta de entrada, é de 1877, tem dez metros de largura e 10,5 metros de comprimento. Internamente preserva os traços originais da época de construção, pois as paredes são construídas com pedras de areia, muito bem serradas ou cortadas, cada uma medindo 30 centímetros de comprimento e 15 centímetros de largura e altura. Estas foram usadas nas paredes com duas fileiras, uma de frente e outra de lado, transpassadas, somando a largura da parede em 60 centímetros e 3,30 metros de altura, mais o reboco; em volta das janelas e das portas, as pedras têm corte na medida das mesmas; ao redor das janelas as pedras têm 1,65 metros de altura e 1,45 metros de comprimento; na porta, a altura da pedra é de 2,10 metros e a pedra na entrada (calçada) da casa, de 1,40 centímetros de comprimento por 60 centímetros de largura.  A casa é coberta com telhas de barro em forma de canoa. Embaixo da casa há um porão com as mesmas extensões da casa em cima, do lado direito há um poço de onde é retirada a água para o consumo dos seus habitantes. Este poço tem profundidade de 125 palmos, por 1,20 metros de largura, envolto por pedras de areia. 


© Copyright 2020 - Direitos reservados à Prefeitura de Fazenda Vilanova/RS

topo